Pular para o conteúdo principal

Artigo: Honeypot com técnica de detecção de intrusão



HONEYPOTS
COMO TÉCNICA DE DETECÇÃO DE INTRUSÃO
por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Um honeypot, como o próprio nome sugere: “pote de mel”, é um sistema computacional destinado a ser sondado, atacado e até mesmo invadido. Na realidade é uma armadilha preparada para capturar dados de um possível, ou possíveis, invasor (es) de sistemas. Enquanto algum invasor varre o sistema atrás de informações ou simplesmente para causar prejuízos, ele tem seus dados de origem rastreados (endereço IP) bem como tem documentado em registro de log todas as suas atividades por ocasião da invasão, visando sua localização e responsabilização.
Talvez o exemplo mais conhecido de um honeypot foi o usado por Tsumo Shimomura em 1994 que propiciou a identificação e prisão de Kevin Mitnick. Visando obter dados ilegalmente do Centro Nacional de Supercomputação, situado em Sam Diego – EUA, Mitnick invadiu o computador de Shimomura. Após o fato consumado, este, prevendo uma nova investida, preparou um honeypot que resultou na condenação e prisão por quatro anos de Kevin Mitnick.
Basicamente existem dois tipos de honeypots: de baixa interatividade e alta interatividade.
Honeypot de alta interatividade, ou virtual, é emulado através de software outro computador em um ambiente controlado para tal fim, ou seja, é montado um computador virtual dentro de um computador físico. Tal virtualização é espelhada em um computador real com sistema operacional próprio, editores de texto, navegadores de internet e todas as ferramentas comuns a qualquer equipamento de informática, principalmente com vulnerabilidades conhecidas a fim de que sejam exploradas pelo hacker, para que o mesmo não desconfie de estar entrando na armadilha preparada.
Honeypot de baixa interatividade, ou físico, as ferramentas de detecção são instalados em uma máquina própria para este fim, normalmente sendo o tráfego direcionado mediante configuração no próprio roteador, sempre que o sistema identificar requisições externas diferentes das comuns aos serviços executados. Deve-se ter muito cuidado ao se instalar este tipo de equipamento, pois se mal configurado pode expor a integridade das informações da rede, por exemplo, dados de localização e identificação de outros equipamentos conectados ao honeypot, que poderão serem explorados em novos ataques.
Um bom exemplo de software gratuito de alta interatividade é o Valhala Honeypot, que pode ser baixado clicando aqui.
Bem, até a próxima e não deixem de comentar este artigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ARTIGO: VINCULAR FOTOS NO MS ACCESS

por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Estes dias estava em um fórum na web e notei a grande dificuldade dos usuários mais inexperientes quanto à vinculação de imagens no MS ACCESS. O recurso de vinculação de imagens serve para não sobrecarregar a base de dados com objetos OLE, pois neste aplicativo as imagens podem ser inseridas diretamente na base de dados, aceitando imagens no formato bmp. Entretanto, “o peso” gerado, dependendo da função da base de dados criada com o Access, logo esgotará a possibilidade de novos cadastros, haja vista existir uma limitação de 4Gb de registros.

Então, ao invés de se inserir uma foto no formato bmp diretamente na base de dados, fica muito mais lógico guardar apenas o caminho desta imagem, fazendo com que o nosso sistema busque a imagem respectiva e a apresente em um formulário de consulta ou relatório.

Para tanto, devemos inicialmente criar na respectiva tabela (objeto do MS Access responsável pela guarda das informações, sendo esta a base de dados pro…

Destaque: Relação das Portas TCP/IP Mais Usadas!

por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Uma das primeiras providências a se fazer quando existe a suspeita de algum tipo de invasão em um microcomputador é a verificação imediata das portas TCP/IP que estão em execução. Normalmente para isso é usado o comando NETSTAT (pretendo postar uma matéria específica futuramente), ou outro método qualquer de preferência do usuário. Entretanto, usuários menos experientes não sabem o tipo de serviço executados pelas portas em questão, para tanto relacionei as principais visado facilitar o entendimento destas, conforme segue: Observação: Para localizar um item específico use "Ctrl + F".
Porta Serviço 1 tcpmux
3
4
5 rje
7 echo
9 discard
11 systat
13 daytime
15 netstat
17 qotd
18 send/rwp
19 chargen
20 ftp-data
21 ftp
22 ssh, pcAnywhere
23 Telnet
25 SMTP
27 ETRN
29 msg-icp
31 msg-auth
33 dsp
37 time
38 RAP
39 rlp
40
41
42 nameserv, WINS
43 whois, nickname
49 TACACS, Login Host Protocol
50 RMCP, re-mail-ck
53 DNS
57 MTP
59 NFILE
63 whois++
66 sql*net
67 bootps
68 bootpd/dhcp
69 Tri…

ACCESS- CONTADOR DE REGISTROS

Olá meus amigos. Desta vez gostaria de postar uma idéia para um contador simples que pode servir como numeração de protocolo para registro de entrada de documentos. Bem, para começarmos, devemos criar uma consulta que vou chamar de "cns_contagem", onde colocaremos os campos base para o nosso contador. Estes campos são os de preenchimento obrigatório como Id, nome, registro etc.
No formulário, deve ser criado um campo chamado "protocolo" e nas propriedades deste campo, no evento "Ao receber foco", deve ser colocado o seguinte:

Dim N 'declaração da variável que vai receber o valor armazenado.
Dim contar 'declaração da variável q vai fazer a contagem.
contar = DCount("Id", "cns_contagem")
N = contar + 1 'Acrescenta 1 a contagem feita.

MyDate = Now()
MyYear = Year(MyDate) 'MyYear recebe o valor correspondente ao ano atual.

'bem, agora é só montar o valor que irá aparecer no campo protocolo
Me.protocolo.…