Pular para o conteúdo principal

TIPOS DE IMAGENS - vetorial x bitmap



TIPOS DE IMAGENS
Vetorial X Bitmap
Por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Já faz algum tempo que desejo escrever sobre este assunto, pois muito se fala na mídia sobre imagens digitais, propagandas de novas câmeras e telefones que a todo instante entram no mercado e o carro-chefe para incentivar as vendas é a quantidade de megapixel que possuem. Pois bem, mega é um indicativo de quantidade representando milhões e pixel significa elemento de imagem (Picture element), ou seja, menor unidade ou ponto de um monitor de vídeo cuja cor ou brilho pode ser controlado.
Existem, na realidade, dois tipos de imagens: vetoriais e bitmaps. As primeiras são aquelas produzidas em cima de cálculos matemáticos, utilizando programas como coreldraw e até mesmo o paint que acompanha todos os sistemas operacionais da família Windows. Estas imagens, por terem sido feitas a partir de cálculos matemáticos, vetores, podem ser livremente ampliadas, por infinito número de vezes que jamais perderá sua definição e clareza; ao passo que as imagens do tipo bitmap ou raster (significando mapa de bits), existindo várias variações deste tipo específico tais como: jpg, jpeg, png, gif, tif, entre outros, são criadas a partir da aglutinação de vários pontos por polegada. E é esta aglutinação de pontos, ou bits, é que criam a imagem. Quanto maior o número de bits maior será a definição destas imagens, entretanto, voltando aos megapixels oferecidos no mercado atualmente, se pegarmos, comparativamente, duas câmeras digitais de mesma marca, porem com megapixel diferente, sendo uma com 7 e outra com 13 megapixel, e realizarmos uma fotografia com ambas as máquinas e posteriormente a impressão destas por, apenas como exemplo, 25 por 30cm, não haverá nenhuma diferença entre as imagens, apenas entre o preço das máquinas que pode superar a casa dos mil Reais de diferença entre uma e outra. No caso apresentado, como são duas máquinas de ótima qualidade, a diferença mesmo ocorrerá quando tentarmos ampliar as mesmas imagens para exposição em outdoors, daí apenas a de 13mp possuirá pixeis necessários para tal mister.
Assim sendo, antes de efetivarmos qualquer negócio relativo à aquisição de novas câmeras, apenas por possuir uma maior quantidade de megapixels, devemos levar em conta qual o trabalho que estamos nos propondo. Utilizaremos realmente toda a capacidade da câmera ou apenas nos iludiremos por uma melhor qualidade de imagem que não existe se tratando das nossas fotos que normalmente capturamos em casa, trabalho, viagens, festas etc.
Até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ARTIGO: VINCULAR FOTOS NO MS ACCESS

por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Estes dias estava em um fórum na web e notei a grande dificuldade dos usuários mais inexperientes quanto à vinculação de imagens no MS ACCESS. O recurso de vinculação de imagens serve para não sobrecarregar a base de dados com objetos OLE, pois neste aplicativo as imagens podem ser inseridas diretamente na base de dados, aceitando imagens no formato bmp. Entretanto, “o peso” gerado, dependendo da função da base de dados criada com o Access, logo esgotará a possibilidade de novos cadastros, haja vista existir uma limitação de 4Gb de registros.

Então, ao invés de se inserir uma foto no formato bmp diretamente na base de dados, fica muito mais lógico guardar apenas o caminho desta imagem, fazendo com que o nosso sistema busque a imagem respectiva e a apresente em um formulário de consulta ou relatório.

Para tanto, devemos inicialmente criar na respectiva tabela (objeto do MS Access responsável pela guarda das informações, sendo esta a base de dados pro…

Destaque: Relação das Portas TCP/IP Mais Usadas!

por Luís Fernando da Silva Bittencourt

Uma das primeiras providências a se fazer quando existe a suspeita de algum tipo de invasão em um microcomputador é a verificação imediata das portas TCP/IP que estão em execução. Normalmente para isso é usado o comando NETSTAT (pretendo postar uma matéria específica futuramente), ou outro método qualquer de preferência do usuário. Entretanto, usuários menos experientes não sabem o tipo de serviço executados pelas portas em questão, para tanto relacionei as principais visado facilitar o entendimento destas, conforme segue: Observação: Para localizar um item específico use "Ctrl + F".
Porta Serviço 1 tcpmux
3
4
5 rje
7 echo
9 discard
11 systat
13 daytime
15 netstat
17 qotd
18 send/rwp
19 chargen
20 ftp-data
21 ftp
22 ssh, pcAnywhere
23 Telnet
25 SMTP
27 ETRN
29 msg-icp
31 msg-auth
33 dsp
37 time
38 RAP
39 rlp
40
41
42 nameserv, WINS
43 whois, nickname
49 TACACS, Login Host Protocol
50 RMCP, re-mail-ck
53 DNS
57 MTP
59 NFILE
63 whois++
66 sql*net
67 bootps
68 bootpd/dhcp
69 Tri…

ACCESS- CONTADOR DE REGISTROS

Olá meus amigos. Desta vez gostaria de postar uma idéia para um contador simples que pode servir como numeração de protocolo para registro de entrada de documentos. Bem, para começarmos, devemos criar uma consulta que vou chamar de "cns_contagem", onde colocaremos os campos base para o nosso contador. Estes campos são os de preenchimento obrigatório como Id, nome, registro etc.
No formulário, deve ser criado um campo chamado "protocolo" e nas propriedades deste campo, no evento "Ao receber foco", deve ser colocado o seguinte:

Dim N 'declaração da variável que vai receber o valor armazenado.
Dim contar 'declaração da variável q vai fazer a contagem.
contar = DCount("Id", "cns_contagem")
N = contar + 1 'Acrescenta 1 a contagem feita.

MyDate = Now()
MyYear = Year(MyDate) 'MyYear recebe o valor correspondente ao ano atual.

'bem, agora é só montar o valor que irá aparecer no campo protocolo
Me.protocolo.…